Abraço: Saiba a importância dele em sua felicidade

abraço

Hug: Know the importance of it in your happiness

A vida moderna é muito corrida. Vivemos sempre apressados, nos alimentamos depressa, andamos depressa, corremos para embarcar no ônibus, metrô ou no próprio carro por conta das pressões do cotidiano. Chegamos ao absurdo até de fazermos sexo depressa porque estamos muito cansados e temos pressa para dormir porque no dia seguinte é dia de trabalho, muito trabalho e correria.

Essa correria que vivenciamos durante a vigília é impulsionada pela ansiedade. Conhecida no campo psicológico como ansiedade vital, ela não é um mal como muitos de nós pensamos. A ansiedade vital é importante e necessária para nosso psiquismo em vista que é ela que nos impulsiona nas ações e reações. A ansiedade vital é a energia que nos leva a agir, a interagir com nós mesmos e com o mundo. Lembra-se dos conceitos de relacionamento interpessoal e relacionamento intrapessoal? Eles são movidos pela ansiedade vital.

Mas nem sempre a ansiedade vital é benéfica. Quando em excesso ela nos leva a abandonarmos a nós mesmos, a mergulhar no poço da aflição, abrindo devagar a porta do cárcere da depressão. Nessa situação ela se torna um mal, um algoz que se encarrega de nós afundar cada vez mais na lama que existe no deserto da depressão.

Mas por que estou abordando o assunto da ansiedade se o conteúdo é sobre a importância do abraço na felicidade do indivíduo? Porque ela também conduz as pessoas da vida moderna ao deserto da solidão. Leva-as a solidão imposta, que é aquela na qual a pessoa fica sozinha por motivos que independem de sua vontade. Esse gênero de solidão provoca a tristeza e a dor emocional. Grande parcela da sociedade sofre – e sofre muito – com a solidão imposta.

A solidão imposta nos faz sofrer porque desperta a sensação desconfortante de abandono, de desamparo, de insegurança. Quando estamos inseguros, temos medo, ficamos aflitos, muito ansiosos.

O abraço é uma ação que, segundo estudos, tem a capacidade de provocar a sensação de afeto, carinho, segurança, amor. Quando abraçamos alguém que estimamos estamos realizando a troca de valores sentimentais que muito necessitamos emocional e psicologicamente.

O abraço poderia ser apenas o simples gesto de duas pessoas se aproximarem, olharem-se nos olhos e depois se aproximarem mais ainda para em seguida juntarem seus corpos e entrelaçar seus braços. As mãos tocam as costas, a cabeça ou os ombros. Poderia ser apenas isso. Entretanto, o abraço é muito mais do que esse gesto ou ação entre duas pessoas.

 

 

 

 

 

 

 

Um abraço significa carinho, amor, afeto e amizade. Ele estabelece uma ligação íntima e saudável entre as pessoas. É bom tanto para quem dá, quanto para quem o recebe.

É um gesto simples, porém carregado de sentimentos. Desde a infância, as pessoas aprendem a abraçar aqueles que lhe são próximos para transmitir emoções diversas, seja em momentos de alegria, tristeza, saudade ou, simplesmente, quando dá vontade.

Para quem está passando por momentos difíceis, receber um abraço é reconfortante porque significa atenção, apoio, consolo e transmite solidariedade com o próximo. Ele é uma forma fantástica de expressar sentimentos maravilhosos e desejáveis, sem a necessidade de palavras ou explicações.

Pesquisas comprovaram que o abraço traz significativos benefícios para a saúde. Ele é o gatilho para o cérebro produzir mais oxitocina, o chamado hormônio do amor, hormônio da felicidade, ou hormônio do aconchego em vista que o aumento dos níveis desse hormônio tem a particularidade de reduzir os estados de stress, ansiedade, depressão, aumentando a felicidade e o bem-estar da pessoa.

A oxitocina é um composto gerado no hipotálamo cerebral e é enviado para a circulação sanguínea através da glândula pituitária. Ela promove o surgimento dos sentimentos de confiança, fixação e ligação entre as pessoas.

Cabe salientar que esses efeitos só se manifestam se o ato de afeto é feito por alguém de confiança, ou seja, ele só ocorre se as pessoas confiarem mutuamente. Em contrapartida, as pesquisas também revelaram que o abraço em estranhos tem efeito estressante.

 

 

 

 

 

 

 

É simplesmente fascinante a sequência e a série de reações bioquímicas e fisiológicas que são desencadeadas quando executamos um abraço num outro ser humano. O contato de nossa pele com pele de outro indivíduo ativa imediatamente os corpúsculos de Pacini. Os corpúsculos de Pacini são receptores sensoriais da pele que entram em atividade só pela pressão do abraço.

Os sinais destes receptores são enviados para o cérebro, assim causando uma redução na pressão arterial, estímulo na atividade imunológica, alívio no sentimento do medo e elevação da autoestima.

O fator confiança é muito salientado no contexto do assunto. O contato físico do abraço pode gerar confiança tanto para a pessoa que dá o abraço como para a que recebe. A ciência chegou à conclusão de que quem recebe um abraço de uma pessoa em quem confia sente-se apoiada e mais confiante, levando ao aumento da própria frequência de abraços.

O abraço nos relacionamentos amorosos melhora significativamente a relação entre o casal, estimulando a comunicação e a compreensão dos problemas.

Quando abraçamos uma pessoa também estamos dizendo através do gesto: “Calma, estou aqui para te ajudar, estou aqui para te amparar… não tenha medo…”. O abraço é muito importante, é fundamental nos momentos de crise emocional, de sofrimento, de dor física.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Existem mães que apresentam um nível mais elevado de oxitocina no nascimento da criança. Esse aspecto propicia a probabilidade de desenvolverem um comportamento de maior ligação com o bebê. Em função da presença mais elevada desse hormônio, o abraço da mãe não somente promove no bebê a sensação de felicidade, de carinho, de aconchego, mas também nos casos de dor, promove seu alívio.

As pesquisas comprovaram que o abraço de mãe é um “santo remédio” para quem está passando por uma situação de estresse, diminuindo a ansiedade e medo de suas filhas.

O abraço de mãe é fundamental para o desenvolvimento saudável de uma criança. Um estudo na Romênia sobre a saúde física e psicológica em longo prazo com bebês e crianças que crescem em orfanatos, situação onde se verifica que o contato físico amoroso é muito menor do que em lares constituídos, concluiu que a falta de contato (abraços regulares) afetou gravemente o comportamento das mesmas na idade adulta.

 

 

 

 

 

 

 

O abraço é tão importante nas relações interpessoais que se instituiu o Dia do Abraço no nosso calendário – sendo comemorado no dia 22 de maio – e também nos Estados Unidos da América (EUA) e Austrália, sendo nestes comemorado no dia 21 de janeiro.

Existem pessoas que sofrem com uma doença denominada alexitimia, que designa pessoas quem tem dificuldade em verbalizar suas emoções e descrever seus sentimentos. Outro estudo concluiu que estas pessoas podem ser beneficiadas pelo abraço.

Ele é tão importante, mesmo antes de se realizarem estes estudos, que nas comunicações escritas ou verbais, as pessoas adotaram ao se despedir a expressão: “Um abraço”.

 

 

 

 

 

 

 

Benefícios que este assunto pode proporcionar ao leitor

Conhecido o poder do abraço, não economize esse remédio que lhe custa tão pouco. Seja solidário e valoroso com as pessoas que você conhece e estima. Sempre que possível, a qualquer hora ou momento do dia, abrace seu filho (a), acaricie seus cabelos, beije-lhe a testa, aperte-o para junto de seu corpo, faça ele se sentir amado e seguro.

Faça o mesmo com sua esposa, mulher, namorada ou amiga. Faça com que ela se sinta uma pessoa amada, segura, que possa contar com você nos momentos difíceis, nas crises da vida. E você mulher também abrace seu marido, namorado, amigo quando perceber que os ventos da vida estão mais quentes do que o normal, quando o olhar dele ficar úmido e sua expressão apresentar a face cinza da tristeza. Use seu abraço caloroso para banir a tristeza e a depressão do coração de quem você ama, de quem você estima.

Em inglês, a palavra abraço é traduzida por hug. Full hugs significa abraços cheios, termo que aprendi com minha filha e usamos sempre que nos abraçamos no dia a dia. Se encontrar pessoalmente uma pessoa que você estima, não se acanhe, não fique constrangido (a), não vacile: dê-lhe aquele full hugs que ela merece e afaste qualquer dor ou tristeza do coração dela e do seu.

 

 

 

 

 

 

 

Robert Thomaz

Você também pode gostar desse post:

Saiba a real importância do namoro no contexto da felicidade

 

Robert

Robert Thomaz é escritor, poeta, autodidata, pesquisador, blogueiro. Dedica-se ao estudo e pesquisa de assuntos relativos à qualidade de vida, relacionamento intrapessoal, relacionamento interpessoal, saúde e bem-estar.

Website: http://sentimentoseletras.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.