Inveja declarada e inveja velada, saiba a diferença entre as duas

inveja

Declared envy and veiled envy, know the difference between the two

Você nunca sentiu inveja de alguém? Inveja por essa pessoa ter alguma coisa que você deseja possuir ou por acreditar que nunca terá algo que ela possui? Possivelmente você sentiu esse sentimento (ruim) pelo menos uma vez em sua vida, intencionalmente ou não. Veja alguns exemplos de inveja a seguir:

– Marcos chegava cansado do trabalho e viu o vizinho entrando na garagem com um carro novo, zero KM, e pensou: “Ah, como eu trabalho tanto! E o Bruno comprou aquele carro importado… como? O cara não ganha tão bem assim! Droga de vida!…”

– Betina conversava com a amiga Lúcia na varanda de sua casa, e disse: “Você sabe por que a Regina vive sentada toda tarde no portão, bem na hora que o Marcos, marido da Valéria chega do trabalho? Ela tá cobiçando ele, tá na paquera!”

– Valéria preparava um bolo em companhia de Eliana, sua vizinha e disse: “Eliana, você viu como a Andréia tá com um corpão?!”. Eliana respondeu: “Ah, e ela nem tão bonita é para ser casada com o Sérgio… ele é bonitão, você já viu?”

– Cícero estava sentado na varanda de casa lendo um jornal quando observou Andréia passar voltando da padaria. Ela voltava da aula de musculação na academia e vestia uma roupa de fitness colada ao corpo: “Êta que a Andréia tá cada vez mais gostosa… e o Sérgio não dá o que ela merece…”.

Os fatos comuns e corriqueiros acima representam exemplos reais de inveja. Mas o que é realmente a inveja? Como ela influencia nossa vida? Veja a seguir o conceito de inveja e os tipos que existem.

 

 

 

 

 

 

 

A inveja é um sentimento de inferioridade no qual se vivencia o desejo, momentâneo ou constante, controlado ou irrefreável, de possuir um valor, qualidade ou bem que pertence a outra pessoa. Sua origem está no protocolo do complexo mental – aquisições e perdas.

A inveja é a clara manifestação de desgosto, de desconforto com aquilo que se tem ou com a situação que se vive. Ela pode ser de pequena, média ou forte intensidade. Sente-se inveja pela falta de perseverança, de persistência em se conseguir algo que outrem possui e que se deseja.

Devido à manifestação desse sentimento, o indivíduo pode, consciente ou inconscientemente, escolher as seguintes formas de agir:

– Por sua maturidade emocional e discernimento manter seu foco de ação em seus objetivos pessoais, buscando superar a inferioridade que julga possuir;

– Manter seu desgosto oculto (inveja velada), maldizendo e agourando o sucesso e felicidade do outro que possui aquilo que ele deseja; ou

– Passar a sabotar a vida do invejado no pretenso alcance do sucesso que não lhe pertence (inveja declarada).

A inveja é um fenômeno psicológico muito comum, que afeta tanto o invejoso como invejado. Ela é caracterizada como inveja declarada quando é explícita ou transparente; e inveja velada quando oculta, quando não manifestada pelo indivíduo que deseja possuir o bem ou a qualidade alheia.

Podemos afirmar que dentre as duas modalidades, a inveja velada é a mais comum e se caracteriza como a mais perigosa. Sua periculosidade se verifica no fato de ocultar a ação perniciosa do invejoso. Este pode agir desde a ação passiva de frustração e desgosto até a articulação e prática de um homicídio qualificado.

A inveja velada é particularmente um sentimento de desgosto e frustração insuportável por ter como qualidade sua ocultação. O invejoso sofre profundamente por desejar o bem ou qualidade do invejado e ter que sufocar seu desgosto em vista que se manifestá-lo correrá o risco de sofrer branda ou forte reação do invejado.

Na inveja velada o indivíduo vivencia estados de frustração e inferioridade em graus diferentes. Ele pode sofrer brandamente com o sucesso e prosperidade do invejado, sem promover a sabotagem ou ruína de sua vida, como pode chegar à insanidade de articular ações e planos destrutivos para obter o bem ou valor do invejado. Ele age assim por não se achar capaz de lutar, de perseverar com seu próprio esforço e dedicação na conquista de bem semelhante ou igual ao do invejado. A essa modalidade de inveja é por si só mórbida.

Estudos concluíram que na inveja velada ao invés do indivíduo aceitar ou conformar-se com suas carências e limitações ou perceber seus anseios e capacidades e procurar desenvolvê-los, ele escolhe em nutrir seu ódio e causar dor e destruição a todas as pessoas que, de alguma maneira, lembram sua privação e escassez. Em síntese, a inveja velada é uma raiva vingadora do invejoso que não luta por seus anseios e desejos, mas que busca a destruição e ruína de seus concorrentes.

 

 

 

 

 

 

 

Benefícios que este assunto pode proporcionar ao leitor

Você acha que pode haver benefício na inveja? Pode parecer loucura, porém não é. Existe sim benefício na inveja.

Como as duas modalidades desse sentimento (velada e declarada) são inequívocos sentimentos de frustração, de inferioridade, de incapacidade de reconhecer em si qualidades e virtudes, o indivíduo deve tomar algumas medidas visando fazer deste sentimento ruim uma ferramenta a seu favor.

Por ser um sentimento predominantemente inconsciente deve-se ter o constante senso de observação próprio para que não se caia em sua trama. Tente sempre perceber quando a prosperidade e o sucesso alheio causa-lhe a menor insatisfação possível ou desejo de ter o que pertence ao alheio. Quando isso ocorrer, FIQUE ALERTA.

Tente perceber que você tem qualidades e virtudes que não são inferiores a de ninguém. Se não tem os cabelos lisos, tem um sorriso cativante; sem não tem um sorriso cativante, tem um altruísmo inspirador; senão tem um altruísmo tem a capacidade de persuadir pessoas a fazer o bem ou lutar por seus objetivos. Suas qualidades e virtudes não se escondem de você, é você que não quer valorizá-las e empregá-las a seu favor e felicidade. Não existem pessoas que não tem nada de bom! Procure e acharás!

Veja a inveja como um estímulo poderoso que pode alavancá-lo em sua luta pelo sucesso. Veja-a como um fator que lhe serve de incentivo a buscar ideais que você observa em outras pessoas e que deseja para si, sem promover a desgraça ou ruína alheia.

Pensando desta maneira, a inveja alheia encontrará em você uma “redoma psicológica” e continuará se arrastando em diante, na busca de outro coração, executando sua ação predatória. Pense, reflita e viva sem inveja! Seja bem-sucedido e feliz!

Robert Thomaz

Você também pode gostar desse post:

“Solteira: Você sabe ser feliz sozinha?

Robert

Robert Thomaz é escritor, poeta, autodidata, pesquisador, blogueiro. Dedica-se ao estudo e pesquisa de assuntos relativos à qualidade de vida, relacionamento intrapessoal, relacionamento interpessoal, saúde e bem-estar.

Website: http://sentimentoseletras.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.