Saiba as diferenças entre relacionamento interpessoal e intrapessoal

relacionamento

A vida contemporânea é marcada por uma pressa exagerada, por todos, corremos muito por compromissos sociais e profissionais, idas ao trabalho e ao supermercado, pagamento de contas e faturas, consultas médicas e odontológicas, ir ao shopping center, ir à academia, ir à balada com os amigos, ufa! Depois dormir, descansar, relaxar, esquecer-se de tudo e de si mesmo.

Embora essa correria desabalada seja muitas vezes mecânica, nem percebemos que a realizamos, em algum momento nosso íntimo lembra-se de uma necessidade que se prioriza em relação a todas as tarefas e funções, e que num momento crucial, se ainda não clamou, clamará por sua superioridade e destacada presença: o amor.

No contexto do amor orbitam terminologias muito comuns como alma gêmea, namoro, site de relacionamento, namorar, encontros, casar, ficar solteiro, site de encontros, namoro virtual, site de namoro, etc. Contudo, poucas pessoas sabem que todos os termos apresentados acima convergem para um único conteúdo, e este se divide em dois menores, mas bem distintos. O primeiro seria o que engloba todos os relacionamentos e os dois seguintes seriam o relacionamento interpessoal e o relacionamento intrapessoal. O quadro abaixo elucida bem esta estrutura.

O conceito de relacionamento vem se ampliando e se modificando como efeito do irrefreável avanço tecnológico que vivenciamos a cada ano e a cada década. Os relacionamentos em todos os níveis sempre tiveram como fator limitante a distância, seja real ou psíquica, entretanto, com o advento da internet que deu suporte as redes sociais para se expandirem, as distâncias se tornaram desprezíveis para o estabelecimento de qualquer interação.

O relacionamento passou a ser uma interação (comunicação entre pessoas) a nível amoroso, social, profissional ou comercial. Em síntese, é uma ligação afetiva, amorosa, profissional ou de amizade entre pessoas que identificam afinidades e objetivos comuns. Todo relacionamento se caracteriza pela convivência física ou virtual, e que a comunicação (diálogo) e atitudes sejam sempre recíprocas. Não existe relacionamento quando a comunicação é unilateral. Ele simplesmente não subsiste, não sobrevive por si só.

Relacionamento é uma boa e saudável convivência na qual se trocam valores cognitivos, emocionais e psicológicos, buscando agregá-los um ao outro. Um bom relacionamento se desenvolve quando há confiança, empatia, respeito, harmonia e sinceridade entre as pessoas envolvidas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Como foi demonstrado no quadro anteriormente apresentado, o relacionamento se subdivide em relacionamento interpessoal e relacionamento intrapessoal. O relacionamento interpessoal é a relação que se estabelece entre duas ou mais pessoas. Esse tipo de relacionamento abrange o âmbito amoroso, familiar, social e profissional. Relacionamo-nos com outra (s) pessoa (s) porque o homem em sua natureza tem o instinto de viver em grupo, em comunidade, estar em sociedade.

Temos esta necessidade por que precisamos dos outros, em parte, para crescermos pelo compartilhamento de ideias, conhecimentos, experiências, sentimentos e emoções. Precisamos ter uma pessoa para amar e ser amado, ter familiares e amigos para que testemunhem nossa luta pelos objetivos pessoais e profissionais bem como nossas derrotas e fracassos.

Sim, não somente nas vitórias necessitamos de testemunhas que confirmem a validade de nosso esforço e de nossa vitória, mas também nas derrotas para que nos apoiem e ajudem a retornar ao nosso equilíbrio interior.

O relacionamento interpessoal possui vários níveis de vinculação e estreitamento. Abrange desde o amoroso até o profissional. Estes níveis são nutridos por conteúdos como amor, afeto, amizade, companheirismo, empatia, estima, solidariedade e tantos outros. Ele está associado à capacidade de interação e habilidade de saber aceitar as pessoas como elas são.

O relacionamento interpessoal entre duas pessoas se aprofunda quando ambas se permitem avançar no campo da liberdade. Este possui um leque de fatores condicionantes como intimidade, afeto, atração física, confiança, comprometimento, espírito de união, sacrifício mútuo, etc. E dependendo do interesse e afinidade de cada um, o relacionamento pode direcionar-se para o campo do amor ou simplesmente da amizade colaborativa.

O relacionamento interpessoal pode ser alterado pelo surgimento de divergências de naturezas diversas, como de ideias, pessoais, sociais e de trabalho, que geram conflito e tensão, fatores que podem diminuir os vínculos e/ou extinguir a relação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O relacionamento intrapessoal se constitui, segundo alguns profissionais da Psicologia, Sociologia e Filosofia, como o relacionamento mais importante no contexto da existência humana. Ele é definido como a capacidade do indivíduo de administrar sua consciência, seus pensamentos, sentimentos, emoções, desejos e medos.

O relacionamento intrapessoal é composto pelos seguintes conteúdos relevantes: autoafirmação, automotivação, autodomínio e autoconhecimento. Cada um deles tem fundamental importância para uma vida saudável e prazerosa porque se constituem na estrutura emocional e psicológica que define cada um de nós, o que somos e quem somos.

Sabendo bem administrar estes conteúdos a busca pela felicidade torna-se muito mais fácil, contudo não é fácil administrá-los e principalmente em conjunto, pois o somatório dos mesmos é que trará o alcance facilitado da felicidade.

Conhecer a si mesmo, dominando seus sentimentos e emoções, conhecendo suas possibilidades e limitações, administrando seu posicionamento junto aos familiares e amigos pessoais, bem como no ambiente de trabalho, são ações de uma pessoa que procura administrar seu relacionamento intrapessoal visando seu bem-estar mental e sua saúde física. É fundamental que ela tenha essa gestão interior, em vista que somente assim terá boas e plenas condições de gerir seus relacionamentos interpessoais.

Mas sabemos que não é fácil administrar nossa consciência, nossos pensamentos, sentimentos e emoções. Somos diariamente confrontados com situações que muito nos exigem no plano emocional e psicológico. Estímulos externos influenciam nossos pensamentos, sentimentos, emoções, escolhas e decisões.

Administrar o relacionamento intrapessoal exige paciência, perseverança, estudo, treinamento, prática. E esse treinamento para controlar nossa mente deve ser diário, constante, com base na meditação, no relaxamento e no controle de nossas emoções e reações.

 

 

 

 

 

 

 

Benefícios que este assunto pode proporcionar ao leitor

Focando o relacionamento interpessoal entre duas pessoas que buscam a troca do amor, podemos afirmar que este sentimento em si não pode e não tem pujança suficiente para fundamentar todo o contexto da interação amorosa. É necessário que os parceiros apresentem outras qualidades e atitudes como empatia, respeito, paciência e compreensão em aceitar as diferenças de cada um.

Uma “regra de ouro” no relacionamento amoroso é a prudência. Muitas vezes deixamos de controlar nossa impulsividade e ela acaba provocando um resultado ao contrário do esperado, prejudicando a relação e, dependendo de sua natureza, levando o relacionamento ao fim. Então, antes de tudo: “Prudência no agir e no falar… sempre!”

É muito comum encontrarmos relacionamentos amorosos imaturos, onde homem e mulher desenvolvem um nocivo espírito competitivo: poder versus submissão; força versus fraqueza; sabedoria versus ignorância, etc. Esses comportamentos provocam a discórdia, a insatisfação mútua e acabam por deflagrar o afastamento de ambos os parceiros, porque produzem relações hierarquicamente desniveladas.

A seguir algumas dicas importantes de como tornar, e manter saudável, um relacionamento amoroso.

1 – Jamais inicie uma discussão amorosa ou briga pelo Whatsap. Brigar por mensagem de texto é uma das mais descaracterizadas emboscadas para o conflito ou destruição de um relacionamento saudável. A mensagem de texto é fria, é seca, por ela você não sabe e não identifica a entonação de voz e a expressão facial da outra pessoa, causando assim mal-entendidos. Conversar pessoalmente ainda é o melhor e mais saudável comportamento para se esclarecer divergências.

2 – Seja sincero, verdadeiro em todas as situações. A verdade não foi criada para agradar. Em função disso, não evite abordar certos assuntos, aborde-os de forma clara, objetiva, sem dramatização. Esta torna o relacionamento ácido e desequilibrado. Relacionamentos maduros não apresentam melindres e nem tabus. Abrir o coração para o outro, por mais delicado que seja o assunto, é o melhor e o mais saudável caminho.

3 – Estabelecer um relacionamento amoroso é aceitar abrir sua intimidade e privacidade a outra pessoa. A confiança e a sinceridade são exigências básicas e fundamentais em qualquer relacionamento amoroso. Não deve existir a ideia de invasão de privacidade do outro. Entregar as senhas do e-mail, do Facebook, e de outras redes sociais é um ato honroso e digno de quem quer manter saudável o relacionamento e não deseja vê-lo acabar. Nem pense e nem faça a atitude infantil e imatura de checar o celular dele (a) enquanto ele (a) está no banho, ou vasculhar o Facebook só porque ele (a) esqueceu o perfil aberto no computador. Não existe meio termo: “Você confia, ou não confia”.

4 – Existe uma máxima que é: “Somos efeito de nossas escolhas”. Se você escolheu ter um relacionamento com uma pessoa deve, em princípio, aceitar e compreender as diferenças que existem em ambos. Ficar reclamando muito do parceiro causa a impressão de que o erro está sempre no outro e que a mudança deve vir dele. Pessoas maduras deixam o status de vítima e encaram o problema do outro como sendo do casal e não alheio. É demonstração de maturidade e empatia reconhecer a nossa parte positiva ou não, na relação.

5 – O ciúme é a semente da discórdia e do envenenamento de um relacionamento. Relacionamento é sinônimo de confiança, lealdade e sinceridade. Sentir ciúme dos amigos e amigas do outro é algo que deve ser controlado e moderado. Sentimos ciúme como reação natural do protocolo de ganhos e perdas que regulam as relações humanas. Essa reação não pode asfixiar o relacionamento e nem muito menos cercear a liberdade e individualidade de cada um. Relacionamento não é relação de dependência. O casal que se ama não precisa viver grudado. Respeitar a individualidade é um dos segredos para um relacionamento amoroso perdurar. Tente ser feliz e ter a vida mais leve não tentando cumprir todas as funções e tarefas na vida de seu parceiro. Querer substituir, estando sempre presente em tudo que o outro faça, pode passar a ideia que você não confia no seu amor e nem em você mesmo (a).

Robert Thomaz

Ouça o #podcast deste assunto. CLIQUE AQUI


Robert

Robert Thomaz é escritor, poeta, autodidata, pesquisador, blogueiro. Dedica-se ao estudo e pesquisa de assuntos relativos à qualidade de vida, relacionamento intrapessoal, relacionamento interpessoal, saúde e bem-estar.

Website: http://sentimentoseletras.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.